O PROJECTO

Contribuições, insultos, projectos de execução, mas principalmente donativos chorudos para:

blog_oprojecto@hotmail.com (com minúsculas)

quarta-feira, junho 25, 2003

 

A dualidade, gatos que dormem ao sol e casas que são

Quando tiver fôlego tentarei escrevinhar qualquer coisa acerca do tema da dualidade da condição de arquitecto: negócio-arte. É um tema fundamental que pode significar uma crise na disciplina. O problema não se centra na pessoa do arquitecto, na sua condição, na sua definição. Mais grave é o resultado da sua obra. Devemos preocupar-mo-nos com o fenómeno contrastante da arquitectura/ produção face à arquitectura/ arte. Ou se quisermos podemos ver a coisa de outro prisma. De um lado há a arquitectura que se demite de qualquer responsabilidade cultural e se limita a "satisfazer" um cliente (também este cada vez mais abstracto), do outro há a arquitectura como ciência humanista, que procura responder a comportamentos e se assume como espelho/ provocador da sociedade.
Lembrei-me do assunto por causa do Siza. A sua arquitectura não é, já o disse, aquela com a qual mais me identifico. Mas sempre que visito uma obra sua sinto que alguém sofreu bastante para que aquele espaço, no qual eu me encontro, comunique comigo. A sua arquitectura reflete uma coisa espantosa. Produto como é das angústias do criador (daí o ritmo próprio de trabalho) o seu resultado não deixa de ser o oposto disso tudo. Cito Eduardo Souto Moura, pois foi ele (seu discípulo) que melhor traduziu a arquitectura do Siza:

«Gosto da naturalidade dos edifícios do Siza. Parecem gatos a dormir ao sol.»

Sobre esta dualidade, que pode ser abordada de vários ângulos, apetece-me dizer mais uma coisa. Coitado do leitor que vai ficar ainda mais confuso. Mas repito aqui uma ideia que oiço repetir muitas vezes, e que aos poucos vai adquirindo significado. Louis Kahn, falando desta responsabilidade que a arquitectura tem de ir mais além do simples cumprimento de requisitos e parâmetros, costumava falar na diferença da «casa do ser e da casa do estar». Em alguns edifícios está-se, outros são maiores e são, conquistam a sua identidade. De certeza que mais tarde vou voltar a falar destas coisas. E suspeito que o António e a Luísa também. LAC
Comentários: Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]





<< Página inicial

Arquivos

Junho 2003   Julho 2003   Agosto 2003   Setembro 2003   Outubro 2003   Novembro 2003   Dezembro 2003   Janeiro 2004   Fevereiro 2004   Março 2004   Abril 2004   Maio 2004   Junho 2004   Julho 2004   Agosto 2004   Setembro 2004   Outubro 2004  

This page is powered by Blogger. Isn't yours?

Subscrever Mensagens [Atom]