O PROJECTO

Contribuições, insultos, projectos de execução, mas principalmente donativos chorudos para:

blog_oprojecto@hotmail.com (com minúsculas)

domingo, junho 22, 2003

 

Recuperação do Património

Eu sei. Mas não há volta a dar. Por muito que tente o contrário todos os sábados de manhã leio o Expresso. E tento encontrar algo de interessante. Hoje, depois de uma busca intensiva e já desconfiado que ia ter o mesmo resultado que o Hans Blix, encontrei no Imobiliário alguma coisa que me merece um comentário (qualquer leitor bem intencionado que ainda estava a ler este post acaba de desistir agora, ao saber que vou escrever sobre o Expresso). Diz o nosso ministro das Obras Públicas, Carmona Rodrigues: "Temos de recuperar o imenso património edificado degradado das nossas cidades". Fala sobre a importância deste sector da indústria da construção. O que deve ter posto os cabelos em pé aos "construtores". Fazer uma obra de recuperação é extraordinariamente mais cara do que construir de raiz. É mais demorada e dá menos lucro. Mais, é necessário o uso de técnicas avançadas e, pasme-se, normalmente é necessário arquitecto. Como se pode ver não é por aqui que o sector da construção gosta de ir. Por isso assinalo com agrado esta mensagem do sr. ministro, ex-homem forte da Câmara de Lisboa.
Isto passa-se na página 8.
Na página 9, imediatamente ao lado, aparece um anúncio de página inteira, a cores, ao novo edifício de escritórios do Palácio Sotto Mayor, na av. Fontes Pereira de Melo. O que é que isto tem a ver? Tudo. O Palácio foi alvo de uma intervenção profunda de reabilitação. O próprio edifício foi recuperado. O que só por si já não era mau. Mas a partir de agora o Palácio vai passar a ter companhia. Um edifício contemporâneo, com preocupações claras de distinção de linguagem arquitectónica, acaba de ser completado. A vida do Palácio Sotto Mayor começa a contar-se no ano 2003. E contudo a marca histórica de 100 anos de existência está lá. É este tipo de intervenção no património (de que falava o ministro) que se deve aplaudir. Há um grande pudor em mexer no que é "antigo". Há inclusivé movimentos que defendem a construção nos dias de hoje segundo os exactos moldes de há 100, 200 anos, conforme o período da história que mais se encaixar no gosto pessoal. A sério. Vale a pena observar estas aberrações. Elas constituem-se como uma negação completa do que é a arquitectura.
Quando se trata de intervenções no património corremos o mesmo risco. Ás vezes pensa-se que o mais correcto, o mais leal, o mais valorizador do ambiente será devolver a construção ao seu estado inicial. Mesmo se isso significar um esforço financeiro que não se justifica. Mas esta atitude vale também para a envolvente. Basta lembrar o processo do CCB e a polémica que gerou apenas por estar "demasiado próximo" dos Jerónimos para se perceber o alcance desta mentalidade. Corre-se o perigo de uma cristalização dos centros históricos, provocando um "imobilismo total" como diz o arq. Souto de Moura, ou uma tranformação das cidades em "parques temáticos" como alerta o prof. Jorge Gaspar.
Defendo, e agora corro o risco de ser um pouco radical, que qualquer intervenção no património de fundo deixe a sua marca. É fundamental que se perceba que o diálogo entre as épocas é o que faz a história. Uma reconstrução profunda que simplesmente represente a imagem que algumas pessoas possam ter do edifício original não deve ser incentivada. Um edifício reconstruido, ou reabilitado, não deve poder confundir-se com um edifício conservado. O diálogo de linguagens arquitectónicas, de materiais e técnicas, de leituras sociais, só enriquece o meio urbano.
Fiquei muito contente quando vi uma notícia que dava conta da não aprovação de um projecto de acresecento de dois pisos num edifício pombalino. Dizia a Câmara que a linguagem arquitectónica dos novos pisos deveria ser distinta da original. Tinha de anunciar o seu tempo. O projecto foi refeito e hoje em dia lá está, o edifício tem dois novos pisos que não deixam dúvidas, mesmo ao transeunte mais distraído, que foram construídos hoje. Isto é autenticidade. De outra forma seria um baralhar da identidade de uma obra arquitectónica.
Sabendo da intenção do governo em apostar na indústria da recuperação do património, fico com a esperança que o país não se lance em operações de "lavar a cara" aos edifícios "velhinhos". Uma coisa é ligar um ser vivo a uma máquina com a esperança que dure mais uns tempos, outra é dar-lhe vida nova. LAC
Comentários: Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]





<< Página inicial

Arquivos

Junho 2003   Julho 2003   Agosto 2003   Setembro 2003   Outubro 2003   Novembro 2003   Dezembro 2003   Janeiro 2004   Fevereiro 2004   Março 2004   Abril 2004   Maio 2004   Junho 2004   Julho 2004   Agosto 2004   Setembro 2004   Outubro 2004  

This page is powered by Blogger. Isn't yours?

Subscrever Mensagens [Atom]