O PROJECTO

Contribuições, insultos, projectos de execução, mas principalmente donativos chorudos para:

blog_oprojecto@hotmail.com (com minúsculas)

segunda-feira, julho 14, 2003

 

A Arquitectura como Arte (1)

Estes posts servirão para arrumo pessoal. Peço desculpa aos leitores, mas vou usar o blog para ir ordenando umas ideiazitas. Talvez no fim escreva um texto com base nestas notas.

Hoje pensei só neste aspecto: a arquitectura utiliza os mesmos meios de comunicação das outras artes em geral. Serve-se das mesmas técnicas para persuasão, para encanto para auto definição. A saber: forma, côr, luz, sombra, textura, materiais, expressividade. O arquitecto, como o pintor ou o escultor, manipula estes conceitos com o objectivo de conseguir comunicar ou exprimir alguma coisa. Essa manipulação é feita com base na perseguição de um fim, de um objecto final. Há uma ideia que se quer materializada. Estes elementos sensasoriais são o veículo dessa mensagem. Como qualquer arte a criação é fundamental. O resultado do jogo destes elementos deve ser produto de um percurso individual e único, mais ou menos revelador das angústias e lutas que lhe são intrínsecas. Mesmo que chegue ao limite de haver imperfeições. Pessoalmente gosto quando uma obra de arquitectura mostra essa imperfeição. Dá-me a sensação imediata que o que vejo não é um produto seriado embalado. É, de um certo modo, a assinatura do criador, como um mau grafiti que diz "eu estive aqui". O grande salto que a arquitectura dá em relação às artes convencionais é o da inclusão do factor tempo. A multiplicidade dos pontos de vista, o percorrer e voltar a trás. Por isso se diz que a arte que mais diz à a arquitectura é o cinema. Só no cinema trabalha também a questão do movimento e do tempo. Mas não haverá manifestações de movimento e tempo na pintura? Ou na escultura? Há, claro que sim, com exemplos notáveis. Mas nestes casos este movimento é um movimento do artista, sentido pelo artista, comunicado pelo artista. Na arquitectura esse fenómeno temporal foge do absoluto controlo do arquitecto. Ele pode (e deve) estudá-lo e desenhar-lhe o ambiente. Mas a vivência, essa, é de quem usufrui, é de todos nós. LAC
Comentários:
Aprendi muito
 
Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]





<< Página inicial

Arquivos

Junho 2003   Julho 2003   Agosto 2003   Setembro 2003   Outubro 2003   Novembro 2003   Dezembro 2003   Janeiro 2004   Fevereiro 2004   Março 2004   Abril 2004   Maio 2004   Junho 2004   Julho 2004   Agosto 2004   Setembro 2004   Outubro 2004  

This page is powered by Blogger. Isn't yours?

Subscrever Mensagens [Atom]