O PROJECTO

Contribuições, insultos, projectos de execução, mas principalmente donativos chorudos para:

blog_oprojecto@hotmail.com (com minúsculas)

quinta-feira, julho 17, 2003

 

Lautrec, Warhol e Venturi

No Reino Unido sabem fazer televisão de serviço público. A BBC Prime, à noite, transforma-se em BBC Learning. Um espaço, a altas horas da madrugada está certo, onde se pode ver programas realmente interessantes. Ontem foi dado destaque, durante uma hora, a um dos meus pintores preferidos, Henri de Toulouse-Lautrec. Interessa-me principalmente devido à sua obsessão pelo banal, o vulgar, o ordinário. Repugnava a pintura de "paisagem". Dizia que a "paisagem" só tinha justificação quando era utilizada para compôr ou realçar as características físicas ou emocionais de uma pessoa. As pessoas eram o seu objecto. Era tratado nos bordeis como um senhor, era amigo das putas, seu confidente. Dava-lhes alguma dignidade, diziam. O tema da banalidade sempre me interessou muito. É também presente na arquitectura. Já falei da arquitecura hi-tech, que considero ser o paradigma de uma lógica de form follows finance . Agora falo da arquitectura do banal, que se pode situar no campo oposto (um dos dias das conferências da Protoypo - Prototypo #007 - foi dedicado a este tema). É muito fácil criar uma imagem apelativa recorrendo a materiais fora do comum. O simples emprego desses materiais significa a presença de vanguarda. O "tudo em vidro" continua, ainda hoje, a seduzir muita gente. Mas existe um campo de produção arquitectónica que é, por vezes, mais discreto mas muito mais rico. O modo criativo como alguns arquitectos manipulam a banalidade é fantástico. Aqui impera a experimentação, contrastando com o carácter "pronto-a-construir" de certa arquitectura. Não vou alongar-me mais. Só queria explicar esta sequência lógica que me levou de Toulouse-Lautrec à arquitectura do banal. O pintor francês foi o pai da artes gráficas. Os seus cartazes foram de tel modo revolucionários que mantêm uma aparência vanguardista. Anos mais tarde Andy Warhol veio a pegar nessa estética, nessa atitude do ordinário, constituindo-se como o ícone da arte-pop. Toulouse-Lautrec foi, de certo modo, um artista pop dos finais do séc. XIX. Nos anos sessenta vivia-se na arquitectura um momento de contestação ao modernismo, de procura de novos conceitos. É neste contexto que surge a obra de Robert Venturi. Este paralelo é interessante. O impressionismo nasceu como reacção ao intitucionalismo académico da pintura. O pós-modernismo (não é a melhor designação) nasce tembém, quase um século depois, como reacção ao academismo que entretanto se tinha imposto, o explicitamente chamado Estilo Internacional. Em ambos os casos há um situação de elitismo académico que é posto em causa por uma reacção de inspiração popular, de inspiração realista. Retratar a vida como ela é. LAC


Comentários: Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]





<< Página inicial

Arquivos

Junho 2003   Julho 2003   Agosto 2003   Setembro 2003   Outubro 2003   Novembro 2003   Dezembro 2003   Janeiro 2004   Fevereiro 2004   Março 2004   Abril 2004   Maio 2004   Junho 2004   Julho 2004   Agosto 2004   Setembro 2004   Outubro 2004  

This page is powered by Blogger. Isn't yours?

Subscrever Mensagens [Atom]