O PROJECTO

Contribuições, insultos, projectos de execução, mas principalmente donativos chorudos para:

blog_oprojecto@hotmail.com (com minúsculas)

quinta-feira, julho 03, 2003

 

Quando a arquitectura cresce como o milho

Muito se fala actualmente de arquitectura verde. O que é isso? É mesmo verde? Cresce como as plantas? Sabe a clorofila? Não…afinal de contas tem apenas conotação ambiental. Com o cescente número de pessoas no mundo, com a escalada da poluição e possível esgotamento dos recursos naturais começa-se seriamente a pensar em rentabilizar o mais possível os consumos que a vida actual requer e os desperdícios que daí resultam. A arquitecura não é excepção, até porque incrível que pareça a actividade de construção em Portugal representa uma percentagem significativa de investimento e movimentação de capital. Não é só ao nível da produção e técnicas que há um constante esforço para uma rentibilização do processo mas sobretudo ao nível do tempo útil de vida do edifício, sendo que é talvez aqui que se podem produzir as melhores reduções a nível de consumo energético. De uma forma muito sucinta as opções arquitectónicas passam sobretudo pelos materiais escolhidos para a construção do edifício e pela tentativa de equilibrar o desempenho do mesmo tanto para o Inverno como para o Verão, o que é dizer que durante o Inverno ou Verão o edifício deverá garantir a manutenção de temperatura sem ser necessário recorrer a climatização. Apesar de parecer simples, as medidas a tomar têm a ver sobretudo com ventilação natural do edifício o que, não é de todo fácil de controlar. No entanto é prática que está na moda, arquitectos de grandes superfíces como Norman Foster, Richard Rodgers, entre outros, utilizam amplamente aquilo que se chama o sistema de fachada dupla, supostamente duas fachadas sobrepostas pelo meio das quais o ar é aquecido pelo sol e sobe, provocando assim um ciclo de substituição do ar quente pelo frio e impedindo o aquecimento da fachada e consequente aquecimento do interior. Isto é tudo muito bonito…mas funciona? Eu pensava que sim, depois disseram-me que não e agora vejo na edição de Arquitectura e Vida deste mês a lista dos Top Ten Green Buildings , elaborada pelo Comité para o Ambiente do American Institute of Arquitects. Pela primeira vez vejo dados concretos acerca do que se realmente se poupa: “ …produz 25% do consumo total do edifício…”, “…consome menos de metade de energia do que edifícios semelhantes..”, “…utiliza 36% de materiais recicláveis na sua construção…”. Ao que parece estamos a aprender qualquer coisa, ainda há esperanças de um desenvolvimento integrado entre arquitecura e ambiente, o que, apesar de não ser um fanático ecológico, agrada-me bastante, pela ideia do edifício como uma máquina apefeiçoada até ao limite e autosuficiente. AD
Comentários: Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]





<< Página inicial

Arquivos

Junho 2003   Julho 2003   Agosto 2003   Setembro 2003   Outubro 2003   Novembro 2003   Dezembro 2003   Janeiro 2004   Fevereiro 2004   Março 2004   Abril 2004   Maio 2004   Junho 2004   Julho 2004   Agosto 2004   Setembro 2004   Outubro 2004  

This page is powered by Blogger. Isn't yours?

Subscrever Mensagens [Atom]