O PROJECTO

Contribuições, insultos, projectos de execução, mas principalmente donativos chorudos para:

blog_oprojecto@hotmail.com (com minúsculas)

terça-feira, outubro 28, 2003

 

Combatendo os concensos

Quero antes de mais dizer que fiquei muito contente com o arranque da discussão. O último post tinha esse carácter algo provocatório. O que ali disse não significa que me possa contradizer daqui para a frente. Se ficássemos todos a dizer o mesmo era mais aborrecido. As contribuições do João e do Pedro são muito interessantes e provavelmente melhor fundamentadas que o meu post inaugural. Ficamos à espera da entrada em cena do Rafael.
Com a devida licença quer do Pedro quer do João continuo com o tom provocatório, na certeza de não ter certezas.
Vou por ordem cronológica e debruço-me primeiro no post do hARDbLOG.

i) Quanto aos mestres de Gehry já aqui demonstrei antes o meu apreço por Venturi, mais no que escreveu no que construiu. Sem dúvida que a questão da banalidade dos materiais e dos motivos populares é datado historicamente. Contudo não acho que a sua manipulação tenha perdido o sentido, hoje.
ii) «O contexto em que Ghery se move é-nos absolutamente estranho.» Talvez não seja, ou seja menos hoje do que ontem. Para o bem e para o mal a arquitectura tem vindo a perder esse seu carácter vernacular. É uma situação real que merece toda a atenção (o trabalho de Rem Koolhaas e do OMA é neste campo exemplar.)
iii) «O pior... o pior vem depois... quando Gehry se torna "o" homem do regime.» Era deste tipo de reacção que eu falava no ponto 1. do post anterior.
iv) «(...) Bilbau, envolto em linhas e formas que nos tocam e dizem-nos a todos do mundo em que vivemos, no seu interior, mais não é que um espaço contentor (...)» Concordo particularmente com esta afirmação. Poder-se-á falar mesmo em fraude, já que o interior é uma desilusão, uma desonestidade de quem promete tanto com a forma exterior.

E agora sigo com as provocações em direcção à Epiderme.

i) Quanto à sugestão de discutir o Siza, calma! Vou precisar de um mês de recuperação depois desta semana. Contudo não podia concordar mais com a necessidade de se discutir fundamentalmente os valores estabelecidos. Esta discussão é disso exemplo.
ii) Com o ponto 2. concordo plenamente. Viva a ambiguidade, contradigo-me violentamente. Claro que não vale tudo e hoje mais do que nunca urge discutir seriamente o caminho da arquitectura. Contudo reforço a ideia de vivermos num tempo em que as ideologias são fracas, os manifestos escasseiam. No fundo é apenas mais fácil avaliar a qualidade arquitectónica à luz de referências sólidas, como sempre aconteceu. De outro modo corremos o risco de entrar na pura argumentação.
iii) Quanto à popularidade Pedro, discordo frontalmente. Nem 8 nem 80. Não confundamos popularidade com populismo. Considero urgente que o mundo do arquitecto se aproxime da sociedade. Ninguém gosta de ficar a falar para as paredes, e sinceramente às vezes parece que isso acontece com a classe da arquitectura. O pintor pode mandar o público à merda. Basta tocar uma pessoa que o trabalho é válido. O arquitecto tem outra responsabilidade (nomeadamente financeira, em relação ao promotor do projecto). Acho o teu ponto 4. também cai na lógica do 8 ou 80. O mall é eficaz, mas não tem um décimo do arrojo de Gehry. A questão está aqui: arriscar, provocar, inovar sem perder a eficácia (funcional, económica).

Por agora fico-me por aqui. Isto promete. Acabo com uma frase fantástica do Pedro: «Gostaria o pós-modernismo de ter falhado tão bem.» Sem dúvida, sem dúvida. LAC

P.S.: Não vale puxar citações da cartola. Por coincidência nos dois blogues foi referido Souto Moura. Olhem que eu tenho aqui um Porttoghesi ou um Venturi pronto a usar!
Comentários: Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]





<< Página inicial

Arquivos

Junho 2003   Julho 2003   Agosto 2003   Setembro 2003   Outubro 2003   Novembro 2003   Dezembro 2003   Janeiro 2004   Fevereiro 2004   Março 2004   Abril 2004   Maio 2004   Junho 2004   Julho 2004   Agosto 2004   Setembro 2004   Outubro 2004  

This page is powered by Blogger. Isn't yours?

Subscrever Mensagens [Atom]