O PROJECTO

Contribuições, insultos, projectos de execução, mas principalmente donativos chorudos para:

blog_oprojecto@hotmail.com (com minúsculas)

quarta-feira, outubro 29, 2003

 

FG – A Vanguarda Digital

Falo de um aspecto que ainda não foi tocado: o digital. Hoje fala-se muito da digitalização do processo, da análise, do objecto, das vivências. Na arquitectura há de tudo.
No entanto esta digitalização pode ter duas géneses distintas. Se por um lado o próprio tema digital é por si um imaginário autónomo capaz de despertar um campo próprio de reflexões, por outro pode constituir-se apenas como ferramenta. É isso que Frank Gehry faz.
E é aqui que se entende a conversa sobre o escultor. De facto a construção vive apoiada num sistema de concepção e representação bastante tradicional, cartesiano. Ainda hoje. O modo como comunicamos ainda se reflecte em projecções bidimensionais da espacialidade, a planta, o corte e o alçado. É interessante ver como uma reflexão em planta é muito distinta de uma reflexão em corte. Considero isto fundamental para se entender a arquitectura. A geometria, a matemática, o rigor, a ordem.
Alguém imagina sequer o que seria o produto de uma tentativa de construir algo de semelhante às formas de Gehry pelo processo ortodoxo? Pois.
Onde entra então esta relação da escultura com o digital?
Gehry conseguiu atingir um estado de manipulação formal livre, nunca antes experimentado. Gaudí, para dar um exemplo, concebeu apoiado numa geometria rigorosíssima, que só ao mais distraído dá a ideia de liberdade total. Gehry sabe que não há limites. Pela primeira vez o arquitecto manipula a forma como um escultor o faz: a forma pela forma. Badamerda para a tectónica! Porquê? Porque através de um sistema de levantamento digital do volume e da sua racionalização viável essa forma livre é execuível!
Acho que as contradições que a sua obra levanta prendem-se com um desfazamento entre o processo criativo e a tecnologia construtiva. Não é por acaso que Gehry não se conforma com os materiais tradicionais. Provavelmente este tipo de arquitectura só atingirá todo o seu potencial com o advento de um novo sistema construtívo, um novo material, uma nova cultura. Tal como o foi o betão armado e a estrutura pilar-viga no período moderno.
É por isto que o mundo da arquitectura tem algumas dificuldades em aceitar este fenómeno. Ele é tão estranho e custa a entranhar. Não o resultado, mas o processo. É o processo conceptual de Gehry que mais assusta. E a sua transposição para o discurso. Como falar do edifício Gehry? Como explicá-lo? Como justificá-lo? LAC

Comentários: Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]





<< Página inicial

Arquivos

Junho 2003   Julho 2003   Agosto 2003   Setembro 2003   Outubro 2003   Novembro 2003   Dezembro 2003   Janeiro 2004   Fevereiro 2004   Março 2004   Abril 2004   Maio 2004   Junho 2004   Julho 2004   Agosto 2004   Setembro 2004   Outubro 2004  

This page is powered by Blogger. Isn't yours?

Subscrever Mensagens [Atom]