O PROJECTO

Contribuições, insultos, projectos de execução, mas principalmente donativos chorudos para:

blog_oprojecto@hotmail.com (com minúsculas)

segunda-feira, outubro 27, 2003

 

Frank Gehry (FG) - pontos prévios

No primeiro post dedicado ao tema que iremos discutir deixo uns pontos prévios de base, à laia de declaração de intenções para não haver confusões:

1. Em Portugal (não só) há uma suspeição permanente quanto ao sucesso. Quando um arquitecto consegue atingir uma unanimidade da crítica, quando é constantemente elogiado e principalmente quando tem um claro sucesso comercial, é logo lançada sobre ele uma campanha de desvalorização. O bom é sempre o marginal, não pode ser popular. Não alinho nisto.
2. Devemos olhar para Frank Gehry como um fenómeno de excepção. Não é possível analisar a sua obra seguindo os habituais espartilhos comparativos. A arquitectura é uma actividade plural acima de tudo. Já não vivemos uma época de tipos, de modelos de referência. Frank Gehry é arquitecto, não é escultor.
3. Admiro a capacidade de gestão de grandes ateliers. Só é possível construir com tamanha complexidade se tal acontecer com base numa extraordinária capacidade de trabalho e coordenação. A ideia só é válida se for exequível. Aqui se traça a linha entre o artista e o arquitecto. Só por isto Gehry já é fenomenal (apesar de não ser o único).
4. Gehry torna a arquitectura moderna (utilizo o termo com o seu significado mais quotidiano) popular. Por norma ela não o é. O clássico e o tradicional neste campo batem-na aos pontos.
5. As suas obras são talvez o melhor exemplo de monumentalidade moderna, ou pós-moderna, o que quiserem. A modernidade reage mal à monumentalidade. Salvo raras excepções (ex: Kahn) a monumentalidade moderna conota-se com os regismes totalitários, e/ ou com manifestações neo-clássicas. Gehry exprime de uma forma magistral uma monumentalidade (escala, significado) do nosso tempo.
6. Os seus edifícios funcionam e são um sucesso económico. O «Efeito Gehry» é uma realidade.
7. Há de facto uma sobre-importância do exterior, da manipulação da forma. Mas isso é um caminho, uma opção. E só no Modernismo é que esta ideia foi abandonada, em prol de uma racionalização e de uma relação interior/ exterior absolutamente nova. Mas o Modernismo fracassou, sigamos em frente.
8. Numa globalização acelarada a arquitectura vive uma era de redescoberta, de auto-análise. Numa globalização acelarada Gehry já rompeu fronteiras. Ninguém se lembra que o senhor é Canadiano.

Posto isto a discussão segue dentro de momentos. LAC
Comentários: Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]





<< Página inicial

Arquivos

Junho 2003   Julho 2003   Agosto 2003   Setembro 2003   Outubro 2003   Novembro 2003   Dezembro 2003   Janeiro 2004   Fevereiro 2004   Março 2004   Abril 2004   Maio 2004   Junho 2004   Julho 2004   Agosto 2004   Setembro 2004   Outubro 2004  

This page is powered by Blogger. Isn't yours?

Subscrever Mensagens [Atom]