O PROJECTO

Contribuições, insultos, projectos de execução, mas principalmente donativos chorudos para:

blog_oprojecto@hotmail.com (com minúsculas)

terça-feira, outubro 07, 2003

 

O Discurso (formal, escrito, representado)

O discurso arquitectónico começou por apoiar-se na beleza. A estética como justificadora de todas as decisões, como principal indicador de qualidade da construção. Associada à estética esteve também uma noção de ordem divina ligada à simbologia. No período da Renascença esta divina ordenação tinha como suporte a geometria, o purismo do desenho. Estes princípios sempre foram fundamentais ao longo da história, até chegar a idade Moderna.
Com o modernismo o discurso voltou-se para outras sensibilidades, fruto também da conjuntura social. Falou-se então de funcionalismo e racionalismo. Um corte com qualquer tipo de expressão historicista, um voltar as costas à tradição, fundamentalmente. E esse corte traduziu-se também pelo abandono do conceito de beleza e da noção de simbologia. Em vez disso exaltava-se a economia de recursos, a mecanicidade da construção, os modelos, os tipos, a redenção da sociedade através da racionalização da arquitectura. Uma revolução social.
Rapidamente se percebeu os malefícios destas posturas e o modernismo faliu. O que lhe sucedeu, o originalmente denominado à falta de melhor como Pós-Modernismo, caraterizou-se fundamentalmente por recuperar a expressão arquitectónica. Voltou-se a falar de elementos construtivos reconhecíveis, elementos esses afastados do discurso arquitectónico na era Moderna, em prol de uma abstracção racional do entendimento do espaço. Voltou a olhar-se para a história, identificaram-se os tais elementos considerados base de toda a construção, e promoveu-se uma cultura de re-interpretação que conduziu à tal expressão.
Como a história faz-se por ciclos voltamos a ter hoje temos um mundo altamente racionalizado. Mas uma racionalização diferente daquela que aconteceu no princípio do século XX. Os avanços informáticos e tecnológicos permitiram uma capacidade de análise e projecto nunca antes alcançada. A análise espacial não foge à regra, e muito do discurso arquitectónico contemporâneo baniu certos conceitos que sempre foram o seu suporte. A beleza, a simbologia, a cultura, a expressão. Foram substituídos pelas certezas, as mais valias, os índices, a optimização. O discurso já não entusiasma, informa.
Talvez seja por isso que o Star-System seja hoje anti-funcional. Criadores como Frank Gehry, Rem Koolhaas, Coop Himmelblau, Daniel Libeskind ou Zaha Hadid, abrem-nos os olhos para esta realidade através do contraste e choque que as suas obras provocam. E por isso não são modelos que se possam repetir, não são exemplos, não podem ser. São ao mesmo tempo uma reacção e um produto, por mais preverso que isto possa parecer. Nós criámos a sua projecção, nós precisamos dos seus cenários. Nunca a arquitectura atingiu este carácter de entertenimento, de show buisness.
E talvez seja por isso que muitos jovens sejam facilmente seduzidos por esta arquitectura e sintam dificuldades em entender a outra arquitectura, a arquitectura do banal, do quotidiano, do habitar. O verdadeiro entendimento da cidade e dos seus problemas, que está muito distante do discurso hollywoodesco desta arquitectura fenómeno. LAC


Comentários: Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]





<< Página inicial

Arquivos

Junho 2003   Julho 2003   Agosto 2003   Setembro 2003   Outubro 2003   Novembro 2003   Dezembro 2003   Janeiro 2004   Fevereiro 2004   Março 2004   Abril 2004   Maio 2004   Junho 2004   Julho 2004   Agosto 2004   Setembro 2004   Outubro 2004  

This page is powered by Blogger. Isn't yours?

Subscrever Mensagens [Atom]