O PROJECTO

Contribuições, insultos, projectos de execução, mas principalmente donativos chorudos para:

blog_oprojecto@hotmail.com (com minúsculas)

segunda-feira, outubro 13, 2003

 

O Minimalismo ou a Humildade

A expressão arquitectónica, a linguagem construtiva, é aquilo que fica. Que é retido na memória, que se grava na história. Principalmente hoje que a imagem é tão facilmente reproduzível e transmitida, a capacidade de síntese atinge uma importância extrema. Quase como um populismo da arquitectura, uma tentativa de chegar mais rápido às massas. A simplicidade do gesto tem muita força quando facilmente identificável.
Então less is more. Num mundo sobrelotado de informação o silêncio destaca-se. Lembro-me de um spot publicitário mudo, sem som, que tinha um impacto brutal no meio da histeria dos intervalos. De repente tiram-nos o chão e caímos do nosso conforto.
A certeza não faz parte do espírito humano. Falava disso, elogiando a ambiguidade. Falava disso também de uma forma muito melhor o Pedro Lomba no seu texto do Independente: «Eu, pela minha parte, acredito em muitas (coisas) e nem todas jogam bem entre si. Sei que deve ser assim.» Por isso, pela existência de mais do que um referencial, a expressão minimalista atinge a dimensão que mais me agrada, a pausa. Não como uma crítica à sociedade da globalização consumista, não como uma tentativa de alcançar o transcendente, mas como um mais humilde gesto de silêncio.
Toda a obra de Souto de Moura me lembra este silêncio intemporal. Quer o arquitecto construir uma escola, brandindo a sua condição de purista, criticando a envolvente? Não creio, apenas sente o prazer de manipular o simples, numa muito própria exploração da textura, da materialidade.
Siza não é minimalista. Para ser sincero não sei o que é um minimalista, mas reconheço algumas atitudes minimais.
Pavilhão de Portugal.
Seria fácil ceder a tentação do simbolismo, da evocação histórica, evocando o passado marítimo da nação. Em vez disso um único gesto, directo. A capacidade que teve de apropriação foi espantosa. Edificou-se um símbolo.
Não gosto do design minimalista. Ou melhor, não gosto quando o minimalismo se torna prisão, quando a sua expressão se torna mais importante do que o utilizador, nós. Não gosto de contemplar o minimal, não gosto da vanglorização do minimal.
Mas pelo silêncio, pela redução ao essencial, pela humilde simplicidade há espaços minimalistas que nos são necessários. LAC
Comentários: Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]





<< Página inicial

Arquivos

Junho 2003   Julho 2003   Agosto 2003   Setembro 2003   Outubro 2003   Novembro 2003   Dezembro 2003   Janeiro 2004   Fevereiro 2004   Março 2004   Abril 2004   Maio 2004   Junho 2004   Julho 2004   Agosto 2004   Setembro 2004   Outubro 2004  

This page is powered by Blogger. Isn't yours?

Subscrever Mensagens [Atom]