O PROJECTO

Contribuições, insultos, projectos de execução, mas principalmente donativos chorudos para:

blog_oprojecto@hotmail.com (com minúsculas)

sexta-feira, novembro 28, 2003

 

Porto (2) – A Casa Da Música, uma(s) passagem(ns) fugaz(es)

É difícil alhear-mo-nos da polémica. Torna-se quese impossível olhar para aquele objecto esquecendo todo o processo que lhe deu origem. Antes de sequer conhecer o edifício já todos ouvimos falar do seu grande impacto.
A primeira impressão vai nesse sentido. Já tinha lido muita coisa. Os mais cépticos falavam do impacto urbanístico, na escala desmedida, do desenquadramento. Esta última não me sensibiliza. O argumento «enquadramento na envolvente», no que à cidade diz respeito, é altamente questionável. Lembro-me de uma conferência de Manuel Graça Dias, em que lhe perguntavam acerca da obra dos Banhos de S. Paulo. Interrogavam-no sobre a fachada poente, dizendo que não era «característico» da zona. Graça Dias respondeu dizendo: «já olhou à sua volta? esta zona caracteriza-se precisamente por não ter característica, por ser uma amalgama de estilos».
Contudo ficava preocupado com a questão da escala. Há um sentido cívico que os edifícios devem cumprir, por respeito. A escala não se deve impor. Pelo que lia dava essa impressão. Pensava que a Casa da Música era uma espécie de monstro enorme e grotescto, que abafava ostensivamente os pobres edifícios que o rodeavam, pobres e desamparados. Por isso a primeira reacção ao ver finalmente a coisa foi «é só isto?»
É só isto, é isto que tem causado tanta polémica? Pareceu-me pouca coisa. Incrivelmente a escala do edifício está certa, funciona, dialoga, integra-se. É natural. Não percebo quem se insurge devido à sua dimensão.
Depois a segunda reacção foi a de espanto. Pegando naquilo que o António dizia ontem, só me apeteceu dizer «lindo». É de facto um objecto (e sobretudo um objecto) muito bonito. Estranho, provocador, alienígena. Mas ao mesmo tempo branco, calmo, pacífico. Um objecto que provoca silêncio. E espanto. Maravilha-nos.
Traz consigo um código representativo que não é o nosso. Vénia seja feita a Rem Koolhaas. É desprovida de estilo. Não é comparável. Por isso é única. Comunica, tem algo a dizer. Os seus planos inclinados são absurdamente naturais. São assim. Não podia ser de outra forma. Nós percebemos.
De realçar que apenas passei de carro. Algumas vezes, separadas no tempo. E cada vez que lá passava o fascínio crescia. Aquilo era sem dúvida um manifesto arquitectónico. Os manifestos não devem abundar. Mas de vez em quando são necessários. Fazem-nos bem. Libertam-nos do nosso mundo. Transportam-nos para outro sítio, do fantástico.
A arquitectura tem este poder. Como a música, ou a pintura. É desconcertante e põe-nos a pensar. Faz-nos sonhar. Inventa o seu próprio referencial. Torna-se arte. LAC

Comentários: Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]





<< Página inicial

Arquivos

Junho 2003   Julho 2003   Agosto 2003   Setembro 2003   Outubro 2003   Novembro 2003   Dezembro 2003   Janeiro 2004   Fevereiro 2004   Março 2004   Abril 2004   Maio 2004   Junho 2004   Julho 2004   Agosto 2004   Setembro 2004   Outubro 2004  

This page is powered by Blogger. Isn't yours?

Subscrever Mensagens [Atom]