O PROJECTO

Contribuições, insultos, projectos de execução, mas principalmente donativos chorudos para:

blog_oprojecto@hotmail.com (com minúsculas)

segunda-feira, novembro 10, 2003

 

Que se lixe Alfama! Construam as Torres do Siza!

Arrepio-me quando oiço alguns gestores e economistas falar sobre a cidade. Frequentemente aparecem nos jornais comentários acerca da «especificidade» de Lisboa, do seu «potencial turístico», das características que teremos obrigatoriamente de rentabilizar. Dizem que Lisboa deve ser única e diferente. Para poder atrair investimento, para poder ombrear com as grandes capitais europeias. Dizem que isso é possível através da publicitação das características inimitáveis da cidade. Ou seja: a história, as colinas, a Baixa, Alfama, o rio. E de repente Lisboa fica reduzida a um postal. A uma imagem falsa e manipulada. A um conceito imaginário.
O problema não é só nosso. Com a globalização teme-se a homogeneização do mundo. E se o mundo for homogéneo facilmente se cria um ranking. A primeira classe e o resto. Claro que neste cenário Lisboa é o resto. Então como sobressair? Como rentabilizar a cidade? Obviamente apelando ao Fado e ao Tejo, porque Paris não tem fado e Londres não tem o Tejo.
Assim cava-se um fosso. Um enorme fosso, onde pela vontade de diferenciação comercial se separa as cidades, catalogando-as, dando-lhes uma label. Ficaremos incapacitados de fazer uma comparação entre Madrid e Lisboa, porque são incomparáveis, na medida que Madrid é Madrid, e Lisboa é Lisboa.
Tal como as empresas as cidades tendem a especializar-se. Atrai mais turistas dizem. E por isso não podemos construir as Torres do Siza! Abaixo as torres do Siza! Fora as torres do siza. Elas, maléficas, irão sem dúvida descaracterizar Alcântara. E os turistas, que vêm de tão longe para ver uma Lisboa típica, como reagirão eles às torres? Certamente, pensarão eles (os gestores), os turistas dirão que para ver torres iam a Chicago, não vinham a Lisboa para ver uma versão pífia de uma torre. Não, em Lisboa ouve-se o Fado e cheira-se o Tejo. E quanto a edifícios elevemos a Baixa a Património Mundial, isso é que é importante!
Senhores gestores: a cidade faz-se evoluindo. Sim, evoluindo, como em evolução. É uma desgraça querer fixar a imagem de Lisboa a um imaginário qualquer, a um postal qualquer. Isso sim retirará Lisboa do circuito mundial do investimento. Sedes de empresas e cultura para Londres, memórias medievais e lojas de recuerdos para Lisboa. A Europa não é um bairro. As cidades não são exclusivas, nem complementares. Lisboa não pode ser aquilo que Paris não é. Não estamos aqui para competir com ninguém. Estamos aqui para tornar a cidade melhor, mais vivida.
Devíamos aprender com Espanha. A recente campanha publicitária devia abrir-vos os olhos. Madrid expõe-se pela sua contemporaneidade. Pela sua dinâmica actual, não pela memória real das feiras tauromáquicas.
Construção em altura não é só para Chelas e para a Expo. O património que os senhores tanto prezam construi-se através de sucessivas evoluções, sucessivas actualizações. A cidade não é nem um museu, nem uma empresa. Por muito que alguns assim o desejariam.
Lisboa está doente. Quer continuar viva. Há quem queira mumificá-la. Ela reage mal e atrofia. Jaime Lerner identificou muito precisamente o problema: falta gente nas ruas, gente que habite, não gente que visite. Basta percorrer a Avenida da República às 10 da noite para perceber que algo corre mal.
Em 1980 Lisboa tinha 800 mil habitantes. Hoje tem 500 mil. É urgente começar a olhar para a frente. É urgente libertar-mo-nos do fantasma do património.
Que se lixem os turistas, dêem-nos uma cidade.
Que se lixe Alfama! Construam as Torres do Siza! LAC

Comentários: Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]





<< Página inicial

Arquivos

Junho 2003   Julho 2003   Agosto 2003   Setembro 2003   Outubro 2003   Novembro 2003   Dezembro 2003   Janeiro 2004   Fevereiro 2004   Março 2004   Abril 2004   Maio 2004   Junho 2004   Julho 2004   Agosto 2004   Setembro 2004   Outubro 2004  

This page is powered by Blogger. Isn't yours?

Subscrever Mensagens [Atom]