O PROJECTO

Contribuições, insultos, projectos de execução, mas principalmente donativos chorudos para:

blog_oprojecto@hotmail.com (com minúsculas)

terça-feira, novembro 25, 2003

 

Uma questão de educação

Quanto mais tempo passa mais desactualizado se torna este post. Apesar da troca de argumentos em relação ao 73/73, em relação ao qual concordo com a posição e argumentos do Lourenço, creio no entanto que grande parte das posições em questão têm a ver com perspectivas sobre o assunto que não foram exploradas. Proponho por isso falar das mesmas coisas mas não de uma forma tão institucional.

De uma forma geral o conhecimento do que é arquitectura não é de todo concensual e normalmente navega-se por águas incertas. Ainda que de forma abstracta o arquitecto seja entendido como um técnico que fornece um serviço, que passa mais ou menos pelo cumprimento de uma série de requisitos, há a tendência de se lhe adicionar uma dose de arte, estética, bom gosto etc. O problema é que se considera que o arquitecto é uma pessoa com algum conhecimento técnico e cuja capacidade principal é este adicionar de "gosto" mais ou menos duvidoso.

Sendo que não se pode falar de arquitectos sem se falar em arquitectura, esta enquanto fenómeno cultural não é entendida, anda sempre pelo domínio da obra de arte, sendo que de antemão se julga que no campo do banal não entra a arquitectura. Arquitectura é algo extra, algo dispensável.

Primeiro convém dizer que o arquitecto não é um técnico, tal como a arquitectura não é só uma questão técnica, é sim uma prática profundamente humana. Quando se diz que não é um técnico não quer dizer que o conhecimento técnico não exista, quer dizer sim que ao contrário do que se possa pensar à partida o processo de criação não é pautado por um procedimento específico e universal aplicado para qualquer situação. A razão pela qual isto acontece é que ao longo do percurso há a necessidade de efectuar escolhas, o trajecto não é linear, e depende destas escolhas a qualidade e conformação final do projecto. Se tal acontece é porque enquanto actividade humana a arquitectura explica a complexidade que nos é inerente: nem sempre sabemos o que queremos, porque gostamos mais disto ou daquilo ou quais são as escolhas mais adequadas. A arquitectura não é uma arte, existe em função de problemas humanos, colocados por humanos e aos quais se tenta responder com um humano, é dotada de um significado e de uma pragmaticidade.

Quando se toca no assunto dos regulamentos, que existem para serem cumpridos, e que o cumprimento dos mesmos não depende únicamente do arquitecto está-se a empolar a questão. Normas, leis, e regulamentos aplicados à construção/edificação em ultima análise não são mais do que simples questões de bom senso, limitam-se a regular aquilo que é entendido como o mínimo dos mínimos tolerável para a utilização humana. O problema de se considerar que determinado papel pode não ser desempenhado por um arquitecto, bastanto um simples técnico, assenta pura e simplesmente num factor de educação cultural. Claro que cada um tem o direito a ter uma opinião formada acerca de determinado assunto, bem como o seu próprio "gosto". O que não faz sentido é pensar que este gosto não pode ser educado. Esta coisa do gostar, que é mais uma relação de empatia, está normalmente dependente da nossa capacidade de compreender o que se nos rodeia.

Tal como a arquitectura não é uma coisa autista também o processo não pode ser "não sentido". Quando abordada por um ângulo diferente a questão da perigosidade da prática de arquitectura pode ganhar uma maior importância. É apenas uma questão de escala de tempo. Um médico comete um erro e o paciente morre. O arquitecto trabalha debilmente e o cliente vive miseravelmente durante 30 ou 40 anos. Pois mas pode remediar-se não é? O problema é o acumular de falhas. Não são pontos específicos, são debilidades, pequenas ou grandes. O problema é quando se sobrepõem todas. A arquitectura nunca pode ser considerada autista ou privada porque não existe apenas para o cliente, entra-nos pelo domínio público.

É fácil perceber que cada um tem o direito à escolha de viver miseravelmente se assim o desejar. No entanto existem regulamentos contra isto. Porquê? Porque esta coisa de se ser livre nas escolhas só é válido até ao ponto onde a nossa liberdade não interfere com a liberdade dos outros.
Inocente? Talvez. AD
Comentários: Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]





<< Página inicial

Arquivos

Junho 2003   Julho 2003   Agosto 2003   Setembro 2003   Outubro 2003   Novembro 2003   Dezembro 2003   Janeiro 2004   Fevereiro 2004   Março 2004   Abril 2004   Maio 2004   Junho 2004   Julho 2004   Agosto 2004   Setembro 2004   Outubro 2004  

This page is powered by Blogger. Isn't yours?

Subscrever Mensagens [Atom]