O PROJECTO

Contribuições, insultos, projectos de execução, mas principalmente donativos chorudos para:

blog_oprojecto@hotmail.com (com minúsculas)

quarta-feira, dezembro 03, 2003

 

Deixem-me sonhar! (sobre as torres)

Uma coisa está já provada: o Siza não é um deus. As enúmeras vozes que se têm ouvido levantam-se em nome da grega democracia bradando aos céus contra o uso do nome sonante para fazer passar uma ideia de si aberrante. O projecto não passará, com Siza ou sem Siza. Ainda bem. É sinal que realmente vivemos numa sociedade aberta. Não é preciso relembrar constantemente o 25 de Novembro, perdão, de Abril, para sabermos isso.
Há um argumento que ainda não vi esgrimido. Eu dou uma ajuda. Fala-se do interesse do grupo económico. Então e o interesse do velho Álvaro? Já repararam que ao seu currículo só falta(m) uma(s) torre(s)? Uma torre que prove que o mestre domina essa escala. Souto de Moura dominou o estádio, calando vozes que o acusavam de ser um arquitecto de doméstica proporção. Siza calará outras, dominando as alturas. Esta ideia não passa de uma tentativa do velho ancião para dourar o seu percurso, pontuando-o com a conquista dos céus, próprio dos deuses.
Mas deixemo-nos de teorias da conspiração.

1. Antes de mais o post que escrevi «Que se lixe Alfama! Construam as torres do Siza» era sobretudo uma provocação. Ironia e provocação. Não pensem os meus amigos do GANG que têm o monopólio sobre essa matéria. Mas não deixo de ser um adepto da construção em altura. E acho que nesta ideia de Alcântara a coisa enquadra-se.
Vamos por partes.

2. Não questiono opiniões técnicas. Se me dizem que as torres obstruem ostensivamente uma linha de escoamento vital para a cidade, só se fosse louco é que continuaria a suportar esta demente ideia. Mas para isso há técnicos louvavelmente qualificados. É ouvir e calar. Não conhecendo o projecto, só conheço como todos a imagem da maquete, duvido que seja esse o caso. Há uma irresponsabilidade mafiosa por trás dessa suposição que não me agrada.

3. Quanto à legalidade estou-me realmente nas tintas. Está aqui em cima da mesa mais uma ideia, um conceito, do que um projecto. E as ideias não se conformam pelas leis. O PDM? Também não é um deus. Dizer que a discussão é absurda pois tratam-se de edifícios de 30 pisos quando o PDM só permite 8 não vale nada. O PDM está a ser revisto. O PDM vai ser re-revisto no futuro. É a vida. A bem das conquistas de Novembro, perdão, Abril, tragam-se para a praça pública todas as ideias. Depois logo se vê.

4. Estou de acordo que Sousa Tavares se encontra preso a uma imagem emotiva, das taínhas e dos velhos. Não sei contudo a que cenário isso diz respeito. Sousa Tavares fala-nos de Belém. Parece-me que as torres não são bem aí. Parece-me, pois não conheço o projecto, só a foto publicada. Mas jurava que aquela coisa grande era a ponte 25 de Novembro, perdão, Abril. Gostava que me dissessem o que há ali a preservar na junto ao rio. Querem convencer-me que os barracões são já parte do património da imagem da cidade?

5. O sistema de vistas. Uma torre barra a vista do rio. Rouba autisticamente o cenário romântico. Ao ouvir isto só me lembro do comentário do senhor Pacheco de Melo, dono da casa Prémio Secil 2003. Dizia-me, quando questionado sobre a estranha opção de virar a sala para o interior do lote, em vez do maravilhoso Oceano Atlântico que banha a gloriosa ilha de S. Miguel, que de mar estavam eles fartos. Tinham-no a toda a hora. Não era uma questão central. Ainda assim sou muito sensível a este ponto. A «vista de rio» é uma mais-valia imobiliária fundamental. Por isso Sousa Tavares só admite construção em altura em pontos altos, criando assim uma espécie de anfi-teatro virado a sul, com as suas bancadas descendo em direcção ao rio. Não preciso de fazer um desenho para provar que aquelas torres não tiram a vista de rio senão a meia dúzia de pessoas. Se isto não for pacífico eu explicarei melhor.

6. Lembro-me de um fantástico editorial (como sempre) da Architectural Review, assinado por Catherine Slessor. Tinha por tema «Empreendimentos públicos». Antes, dizia, o povo tinha orgulho na sua cidade, nos seus marcos, nas suas conquistas. Sentia-se na legitimidade de obrigar o estado a gastar bem, construindo grandes equipamentos e projectos dinamizadores desse mecanismo de orgulho colectivo. As torres do siza não são projecto público. Mas deveriam ser objecto de orgulho bairrista de uma cidade. Pensemos na alternativa. O que se propõe, em termos de área total construída, equivale a 12 ou 13 edifícios de 8 pisos. Bonita visão esta.

7. Reconheço que se as torres não fossem do Siza estaria preocupado. Mas sinto-me com legitimidade para reclamar para mim essa preocupação. O simples conceito de construção em altura, numa cidade em que isso não é a regra, conota essa tipologia com um carácter de excepção, de ribalta. Democraticamente espero que se entregue essa responsabilidade a profissionais reconhecidos. Não quero nenhum Blody Chinese a construir aquilo.

Por isto e muito mais gostava, numa perspectiva romântica, de ver as torres construídas. Sonho com uma integração harmoniosa e valorizadora de construção em altura em Lisboa. Sonho com uma Lisboa «moderna». Sonho com a projecção de outrora restabelecida. Sonho com Lisboa. Sonho sobre Lisboa. LAC


Comentários: Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]





<< Página inicial

Arquivos

Junho 2003   Julho 2003   Agosto 2003   Setembro 2003   Outubro 2003   Novembro 2003   Dezembro 2003   Janeiro 2004   Fevereiro 2004   Março 2004   Abril 2004   Maio 2004   Junho 2004   Julho 2004   Agosto 2004   Setembro 2004   Outubro 2004  

This page is powered by Blogger. Isn't yours?

Subscrever Mensagens [Atom]