O PROJECTO

Contribuições, insultos, projectos de execução, mas principalmente donativos chorudos para:

blog_oprojecto@hotmail.com (com minúsculas)

terça-feira, março 09, 2004

 

Daydreaming

Para quem acompanha a vida de uma cidade atentamente um dos maiores prazeres é a observação das tensões entre passado e futuro. O presente, esse, não existe, como todos sabemos.
Para o público em geral não sobram dúvidas sobre o significado a atribuir a cada tempo cronológico: o passado é glorioso e radiante; o futuro é tenebroso. Acontece que para quem gosta de cidades não é bem assim.
Encontrava-me, a propósito de um acontecimento social à hora de jantar, junto ao rio, escurecido pela noite. Silêncio quase absoluto. As cores reflectiam-se ondulantes na água. A fantástica ponte sobre o Tejo recortava-se no luar. Estava bastante frio. Ora, esta situação podia não passar disto que descrevi, o que já não era mau. Mas uma cidade não pára.
Olhava em frente, para a ponta de Cacilhas, onde Almada vem ter com o Ginjal e com os estaleiros da Lisnave. A margueira. Imaginava o projecto famoso pelo nome “Manhattan de Cacilhas”, alto e belo, cosmopolita. Alguém naquele preciso momento partilharia o rio comigo, mas no alto de um septuagésimo andar, na outra margem. Lisboa seria uma paisagem inigualável. O seu septuagésimo andar seria para mim um aperto no coração.
Rodei a cabeça, clockwise. O ferro da ponte conduziu-me até à zona de Alcântara. Daquela tensão entra a enorme estrutura rubra e a linha de margem nasciam três objectos esguios, como irmãos. Como irmãos eram diferentes, cada um com a sua personalidade. A ponte agradecia a companhia, já que durante muitos anos andou só, afugentando uma cidade rasteira.
Imaginava estes cenários e sentia-me ainda mais pequeno. E via orgulhoso o Tejo sobrepor-se à cidade toda. Esta crescia como um adolescente a querer dar nas vistas. Mas mesmo em bico dos pés não ofuscava a presença mitológica do rio.
Olhei para trás. Um cilindro finíssimo quase me caía em cima. Um ponto marcado, o terceiro elemento deste acto. Mais britânico do que os outros. Falava um british irrepriensível. Era o que estava mais próximo, mas tinha sido o último a fazer sentir a sua presença.
Foi só à terceira que ouvi chamarem-me. Tinha de ir para dentro.
Lisboa sempre foi assim, uma cidade de vistas singulares. LAC

Comentários: Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]





<< Página inicial

Arquivos

Junho 2003   Julho 2003   Agosto 2003   Setembro 2003   Outubro 2003   Novembro 2003   Dezembro 2003   Janeiro 2004   Fevereiro 2004   Março 2004   Abril 2004   Maio 2004   Junho 2004   Julho 2004   Agosto 2004   Setembro 2004   Outubro 2004  

This page is powered by Blogger. Isn't yours?

Subscrever Mensagens [Atom]