O PROJECTO

Contribuições, insultos, projectos de execução, mas principalmente donativos chorudos para:

blog_oprojecto@hotmail.com (com minúsculas)

terça-feira, junho 01, 2004

 

nem me atrevo a perguntar «o que é a arte?»

O Daniel atira-se com unhas e dentes ao João Pereira Coutinho. Devo dizer que não acho JPC «um idiota». O seu estilo de escrita (porque ele o tem, coisa rara em Portugal) é conhecido. Eu gosto. E o texto que o Daniel cita tem mais do que se lhe diga.

Não alinho nesse ponto de vista que define a arte contemporânea como menor. Quem me conhece sabe bem disso. Costumo inclusive levantar o tema do Impressionismo quando entro nesse tipo de discussões, tentando provar que quem considera que a arte morreu depois de Monet só pode ser pobre de espírito. Mas, e como em tudo, a vanguarda e a contemporeneidade não são valores em si mesmos. Por isso, não posso concordar com o que o Daniel diz: «Talvez este conservador imberbe tenha de voltar aos livros de onde saíu para compreender que se em 1900 todas as obras de Monet tivessem pegado fogo muitas vozes como a dele se teriam feito sentir, menosprezando e regozijando-se com a sua destruição.» Está bem. Pode ser verdade. Mas não prova absolutamente nada. Continuemos.

Não escondo uma inquetação. Não sei, nem posso saber, até que ponto vai a arte do século XX sobreviver. Sobreviver a essa «segunda vez», a que JPC alude. O problema está no modo de fruição da própria arte. Qualquer objecto artístico não pode ser plenamente compreendido sem um background cultural. Qualquer. Seja a Gioconda ou o urinol de Duchamp. Mas esta perspectiva implica uma consideração cultural da arte. Uma abordagem racional, estruturada, interessada. Contudo, sabemos bem que a arte se oferece a qualquer um. E que é tão legítimo uma paixão ingénua por uma imagem, uma obsessão pessoal que se reveste de significado, como a análise fria do conhecedor. Em que ficamos? Se um analfabeto chora perante os Nenúfares de Monet, o que dizer?

Muita da arte contemporânea sobrevive e valoriza-se pela actulidade. Pelo que significa neste momento. Pela retórica que lhe está subjacente. Os Nenúfares de Monet superaram essa condição. Será a arte contemporânea capaz de ganhar o seu espaço equivalente na história? E JPC afirma: «Talvez seja. Mas, com a devida vénia, não sei o que será pior: que uma obra de arte desapareça pela força das chamas ou que desapareça em nós depois de um primeiro olhar.» Talvez tenha razão. O que não é confortável admitir, nem desejável. Mas não excluo a hipótese que o rapaz tenha razão. Será um dia triste, se isso acontecer. Mas a verdade é que eu não quero o Urinol de Duchamp para nada. LAC

Comentários: Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]





<< Página inicial

Arquivos

Junho 2003   Julho 2003   Agosto 2003   Setembro 2003   Outubro 2003   Novembro 2003   Dezembro 2003   Janeiro 2004   Fevereiro 2004   Março 2004   Abril 2004   Maio 2004   Junho 2004   Julho 2004   Agosto 2004   Setembro 2004   Outubro 2004  

This page is powered by Blogger. Isn't yours?

Subscrever Mensagens [Atom]