O PROJECTO

Contribuições, insultos, projectos de execução, mas principalmente donativos chorudos para:

blog_oprojecto@hotmail.com (com minúsculas)

sábado, junho 19, 2004

 

Teotónio e Carrilho

O «Actual» desta semana dá destaque a dois arquitectos: João Luís Carrilho da Graça, a propósito da atribuição do prémio Luzboa-Schréder, e Nuno Teotónio Pereira, a propósito da inaguração na próxima sexta-feira de uma exposição sobre a sua obra, no CCB. São dois nomes incontornáveis, pertencentes a gerações diferentes. Teotónio é o grande nome do modernismo português de Lisboa, um dos homens que introduziu no país Corbusier e a sua Carta de Atenas. Carrilho é filho dos períodos conturbados de 1974, época em que sai da ESBAL. Devo dizer que admiro muito a obra dos dois. Mas por razões diferentes. E isso é que importa.
Teotónio Pereira é um puro. Um homem de causas e ideais, que viveu num tempo que permitia essas causas e ideais. Isso reflecte-se na sua obra. O seu atelier, o famoso atelier da Rua da Alegria, sempre foi uma coisa colectiva, sabendo ir beber da experiência e contribuição de todos os que por lá passaram (em especial Bartolomeu Costa Cabral, Nuno Portas e, mais recentemente, Pedro Botelho). É um percurso marcado pelas intervenções sociais e religiosas. Betão à vista, madeira, 45º, baixos relevos, intervenções artísticas de convidados, um grande sentido comunitário. A sua obra não é "bonita", no sentido de uma estética de imagem. Nunca se rendeu ao facilitismo da retórica, do reconhecimento público, do nome. É um resistente, um lutador calmo e sereno. Basta entrar na Igreja do Sagrado Coração de Jesus, em Lisboa, para imediatamente se perceber como encarou Teotónio a arquitectura.
Carrilho da Graça representa o arquétipo que muitos têm de um arquitecto. Eu não gosto dele. Da pessoa. Mas reconheço que não o conheço. Ainda assim, Carrilho da Graça é um meticuloso gestor da sua imagem. E não falo só do que veste e calça (que chama sempre a atenção). Falo do que diz, como diz, quando diz. É arrogante, distante, frio. É uma estrela. Ao contrário de Teotónio Pereira, o seu percurso é fortemente individual (no que respeita ao modo de trabalhar). É também um virtuoso do espaço. Se pode haver poesia na matéria construída, ela está presente na obra de Carrilho da Graça. A interpretação que faz dos sítios, do programa, da linguagem moderna, resulta quase sempre em lugares de silêncio e contemplação, mas interpelativos e actuantes, não demissionários. Ao contrário de Teotónio Pereira, as suas obras brilham nas páginas de revista. Pedem para ser fotografadas e mostram claramente como devem ser fotografadas. A obra de Carrilho assume sem rodeios essa atitude.
Estes dois homens podem simbolizar apenas duas gerações diferentes, e simbolizam-no claramente. Mas há mais. Personificam duas grandes áreas de actuação da arquitectura: o campo social e humano; e o campo artístico e conceptual. Não digo que são exclusivos, mas normalmente é isso que acontece. Interessante é perceber que isso se reflecte (ou nasce) na postura pessoal do arquitecto, na sua imagem, no seu tratamento na imprensa.
Irei ver com prazer a exposição de Nuno Teotónio Pereira. Ver e aprender, porque homens destes começam a escassear (lembro a morte recente de Vítor Figueiredo, por exemplo). Daqui a uns anos veremos onde chegou esta outra geração, a de Carrilho da Graça. Mas duvido que ocupem tantas páginas na história da arquitectura em Portugal. Duvido.

Comentários: Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]





<< Página inicial

Arquivos

Junho 2003   Julho 2003   Agosto 2003   Setembro 2003   Outubro 2003   Novembro 2003   Dezembro 2003   Janeiro 2004   Fevereiro 2004   Março 2004   Abril 2004   Maio 2004   Junho 2004   Julho 2004   Agosto 2004   Setembro 2004   Outubro 2004  

This page is powered by Blogger. Isn't yours?

Subscrever Mensagens [Atom]