O PROJECTO

Contribuições, insultos, projectos de execução, mas principalmente donativos chorudos para:

blog_oprojecto@hotmail.com (com minúsculas)

sexta-feira, julho 23, 2004

 

O meu encontro com Carlos Paredes

Foi por acaso, como a maior parte das coisas que nos ficam na memória. Andava pelos corredores do lar, em Campo de Ourique, por entre velhos que só precisam de um ouvido para onde falar. Uns mais excêntricos, outros mais recatados. «Querem visitar o Carlos Paredes?», disse a enfermeira que nos acompanhava. Até esse momento, não sabia que ele lá estava, não sabia qual a sua condição, não sabia que estava vivo. Carlos Paredes era um nome, um nome que se tinha deslocado da pessoa para a guitarra. Nesse dia estive junto à cama de Carlos Paredes. Deitado de barriga para cima, muito direito, imóvel. Olhos fechados, um nariz enorme, uma pose intimidatória. Estava vegetal. Não reagia a nenhum estímulo. Apenas um pequeno rádio, que tocava conformado, como quem cumpre uma rotina necessária. «É a única coisa a que ela reage», dizia sobre Carlos Paredes. Naquele momento ficou a dúvida sobre a veracidade da afirmação. No fundo todos queríamos acreditar que o Carlos Paredes não se tinha tornado indiferente à música, a sua vida, apesar de tudo. Parecia sereno. Foi difícil ver alguém que construiu uma fama merecida à custa de um talento físico, os dedos ágeis sobre os trastes, reduzido a um estado de imobilidade transcendente. Um mito à minha frente, vivo, doente. Frágil. É comum dizer-se nestas alturas que «não merecia». Então as atenções viram-se para o pequeno rádio. E lança-se um desejo. Que Carlos Paredes se tenha desprendido do seu corpo, deixado a sua carne e ossos deitada sobre a cama, e que tenha ido ter com o pequeno rádio, fundindo-se no ar com as ondas sonoras. Pura música, sem o cansaço do frágil corpo. Como sempre terá desejado. Naquele dia, há quatro anos (ou cinco talvez), saí do seu quarto convencido de que a música realmente se tinha apoderado totalmente de Carlos Paredes, roubando-o ao mundo.

Comentários:
Um abraço para Carlos Paredes.
Há uma coisa que um colega dele disse hoje de manhã, que é a única coisa que posso também dizer.
É o melhor.

Pedro C.
 
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
 
"There is a street wisdom in his playing, a strange, crooked lyricism, and, above all, impeccable taste"

Compositor Osvaldo Golijov
 
Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]





<< Página inicial

Arquivos

Junho 2003   Julho 2003   Agosto 2003   Setembro 2003   Outubro 2003   Novembro 2003   Dezembro 2003   Janeiro 2004   Fevereiro 2004   Março 2004   Abril 2004   Maio 2004   Junho 2004   Julho 2004   Agosto 2004   Setembro 2004   Outubro 2004  

This page is powered by Blogger. Isn't yours?

Subscrever Mensagens [Atom]