O PROJECTO

Contribuições, insultos, projectos de execução, mas principalmente donativos chorudos para:

blog_oprojecto@hotmail.com (com minúsculas)

quinta-feira, agosto 26, 2004

 

Barcelona

O plano de Cerdà é «chato», ouve dizer-se. O turista, à caça do pitoresco, do beco, da praça, não gosta do engenheiro. Este, em 1860, traçou um plano hiper-racionalista, antevendo o período moderno, onde a expansão se fazia com base na homogeneidade. Homogeneidade essa que se torna extremamente flexível, capaz de suportar as excepções, as variantes. Mas é um plano de cidade real, não de cidade exposição, ou de cidade feira. Isso viria depois.
Viria no fim do século, com a primeira Exposição Universal, que seguia as pisadas de Londres e Paris (já aqui se percebia a vontade de Barcelona ser algo mais do que a segunda cidade espanhola). Confirmando a teoria da história cíclica, depois do urbanismo de Cerdà chegava a festa da monumentalidade ornamentada e barroca. É desta época que data, como prova, o Arco do Triunfo de Barcelona. Paris fazia muita inveja, era a capital do mundo.
É na segunda grande exposição, em 1929, que Mies se faz anunciar. A urbanização de Montjuic deixa dúvidas sobre a sua data, tais são as referências ecléticas de um passado já o suficientemente distante para dever ser olhado com outros olhos. Sucedem-se arcadas, escadarias, colunas, cúpulas e frontões, em grandes eixos e praças elipsoidais. Isto, lembre-se, no final da década de 20, com os CIAM mesmo à porta. Neste contexto de opulência historicista, o pavilhão de Mies van der Rohe assume-se como uma peça estranha e visionária. A sua reconstrução nos anos 80 no local original foi absolutamente essencial. Hoje, quase 100 anos depois, percebemos o verdadeiro alcance da arquitectura moderna ao sentirmo-nos mais em casa na abstracção de Mies do que nas formas reconhecíveis de um classicismo já demasiadas vezes reinventado. A consciência de que as obras são contemporâneas põe em evidência a história do modernismo como reacção, como algo de absolutamente necessário face à falência de todo o tipo de ecletismos, de revivalismos, de naturalismos, de quaisquer ismos que imperassem na viragem de século. Mies vence. Vence hoje através da mão de Ignasi de Solà-Morales, Cristian Cirici e Fernando Ramos que, ao reconstruirem o pavilhão no seu contexto tornaram viva a história.
O século XX passou bem por Barcelona. Está lá tudo, desde as preocupações com as vias circulares, a reacção à guerra, as preocupações com as periferias nos anos 50-60, a ideia de área metropolitana que se seguiu. E mais eventos excepcionais: os Jogos Olímpicos, em 92, e o Fórum, este ano, que não passam como todos sabemos de pretextos para intervenções urbanas significativas, pois é o único modo de conseguir financiamento para gestos dessa dimensão.
Barcelona é uma grande cidade. Porque respira urbanismo, respira planeamento e respira arquitectura. Gaudí? Deixem-se disso, não passou de um excêntrico genial, de um artista único, e por isso incapaz de deixar escola. Barcelona é muito maior do que isso.
Comentários: Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]





<< Página inicial

Arquivos

Junho 2003   Julho 2003   Agosto 2003   Setembro 2003   Outubro 2003   Novembro 2003   Dezembro 2003   Janeiro 2004   Fevereiro 2004   Março 2004   Abril 2004   Maio 2004   Junho 2004   Julho 2004   Agosto 2004   Setembro 2004   Outubro 2004  

This page is powered by Blogger. Isn't yours?

Subscrever Mensagens [Atom]