O PROJECTO

Contribuições, insultos, projectos de execução, mas principalmente donativos chorudos para:

blog_oprojecto@hotmail.com (com minúsculas)

terça-feira, agosto 17, 2004

 

Encontros Imediatos #1: A aproximação à coisa



Tinham-me dito que Bilbau era uma cidade feia. Por cidade feia entendia uma cidade repulsiva, desagradável. Não é. Bilbau é uma cidade sem interesse, chata, sem beleza, sem surpresas. Apesar de não ser feia é totalmente anónima. Nada ficará gravado na memória de quem por lá passa. A malha é regular, ortogonal, com algumas diagonais, umas praças e rotundas tranquilamente inseridas. A construção é de boa qualidade, e a arquitectura média também. «Prédios de rendimento» bem conseguidos. Cromaticamente pouco heterogénea, com o tijolo sempre presente.
Chega-se facilmente ao museu. Bilbao implanta-se junto ao rio, numa área especialmente acidentada topograficamente. Desce-se durante uns bons 20 quilómetros em autoestrada. A placa que diz «Bilbao/Bilbo» surge; continua-se a descer. Pouco depois de a cidade se ter anunciado (já estamos em Bilbao), e com pouco esforço de orientação tendo em vista que nada se conhecia, o museu apresenta-se, naquele enfiamento de rua, como uma inevitabilidade pacífica (afinal, fomos a Bilbau para vê-lo, nada mais). Exactamente como nas fotografias. E fica-se com água na boca a sonhar com um hipotético dia em que se chegaria a Bilbao sem saber que ele lá estava. Para que o seu famoso «efeito» fosse real; para que o fenómeno fosse nosso. (continua)

Comentários: Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]





<< Página inicial

Arquivos

Junho 2003   Julho 2003   Agosto 2003   Setembro 2003   Outubro 2003   Novembro 2003   Dezembro 2003   Janeiro 2004   Fevereiro 2004   Março 2004   Abril 2004   Maio 2004   Junho 2004   Julho 2004   Agosto 2004   Setembro 2004   Outubro 2004  

This page is powered by Blogger. Isn't yours?

Subscrever Mensagens [Atom]