O PROJECTO

Contribuições, insultos, projectos de execução, mas principalmente donativos chorudos para:

blog_oprojecto@hotmail.com (com minúsculas)

segunda-feira, setembro 13, 2004

 

Eu devia estar a trabalhar, mas enfim

Da resposta que o arquitecto Carlos Cardoso me enviou e que aqui mesmo em baixo se publicou, parece só pertinente acrescentar umas linhas àquilo a que se refere no seu ponto 3. Por isso, cá vai.

Há uma diferença clara entre as opiniões que se exprimem publicamente e as opiniões que se partilham com amigos, ou mesmo opiniões que apenas se pensam. A diferença entre um crítico e um comum mortal reside nessa nuance: o crítico não pode deixar-se levar pela emoção, a não ser que consiga usar isso para enriquecer a crítica. Como isso é difícil e só está ao alcance de alguns, o melhor é esquecer. Dito isto, resta saber em que plano se coloca um blogue, este ou outro. Não há resposta prévia. No meu caso o blogue é claramente uma coisa pessoal. Raramente revejo o que escrevo antes de publicar, tornando os textos mais abruptos, mesmo aqueles que apresentam uma maior complexidade. Tudo o que aqui é escrito é opinião, não é crítica. Nos blogues são permitidas certas liberdades que noutros meios são vetadas. Está certo, é consensual. Por ser tão livre, é importante que os textos sejam claros no seu tom: dizer coisas sérias em tom sério, dizer coisas menos sérias num tom menos sério. O que me leva ao post em questão.

Começo pela título. A frase é claramente uma alusão ao meio de expressão oral. Pela bujarda, «foda-se», pelo pronome, «isto», e pela adjectivação, «mau». Quis com o título predispor o leitor para o conteúdo do texto: impressivo, descontrolado, sem coerência.

Não conheço ninguém, e em especial arquitectos, que não utilizem este tipo de linguagem e atitude perante a arquitectura. A diferença é que o guardam para si, e bem. Se chamados a comentar a mesma obra publicamente, então utilizam outra abordagem, outra linguagem, outros argumentos. Ainda que para dizer o mesmo, ou seja, isto é mesmo mau. Repare-se que não se avalia a funcionalidade, a qualidade de construção, o rigor do desenho. Apenas se avalia uma estética, uma atitude, uma coisa que nos aparece à frente. Não discordo nem pretendo que se passe a dizer publicamente tudo e mais alguma coisa. Continuemos.

Acho graça às obras do arquitecto Troufa Real. Acho graça e não gosto mesmo nada. Se é um arquitecto que tem «muito para me ensinar», disso não duvido. Mas duvido sim que, mesmo depois dos ensinamentos, a minha visão sobre o que é ou pode ser a arquitectura vá tornar-se semelhante à sua.

Mas o que digo eu no texto que incomodou tanto o arquitecto Cardoso? Peço desculpa aos leitores (que a este passo se reduzem a dois adolescentes atraídos pela expressão foda-se, e dois ou três amigos que fazem o favor de ler qualquer merda que eu escreva), e passo a analisar tão ofensiva prosa, escolhendo os trechos que me parecem serem mais «ofensivos».

«(...)eu sei que ele é maçon(...)»

Não sei se é ou não, dado o secretismo da organização. Assumi que sim, disseram-me, e invoquei esse facto devido ao enorme misticismo e simbolismo que a Maçonaria gera, sendo por isso relevante na análise da obra de um dos seus membros (conheço outros arquitectos maçons que envolvem a sua obra nesse tipo de ambiente e discurso, se bem que seja uma arquitectura bastante distinta.)

«(...)pois, mas qual arquitectura?...(...)»

Como já disse, a minha visão da arquitectura (vale o que vale) pouco tem a ver com a obra de Troufa Real. A imagem que vi (publicada na primeira página do Expresso) causa-me estranheza. Qual arquitectura?

«por certo há aqui parâmetros de qualidade que não saltam imediatamente à vista... isto é, tem de haver não é? não é?...»

Não é ironia, nem humor. É uma inquietação verdadeira, escrita num tom (lá está o tom outra vez, arquitecto Cardoso) que evidencia alguém que vagueia no seu pensamento. O que levou isto a ser publicado na primeira página do Expresso?, penso.

«(...)é do Troufa Real, eu sei, não se deve esperar muito, sim(...)

Para quem, como eu, conhece e não gosta do estilo Troufa Real, não se pode esperar muito. A mesma atitude se pode observar em quem não gosta do Siza: é sempre tudo igual, branco e liso, não se pode esperar muito.

«(...)se isto é uma merda? é um modo de pôr a questão, mas não sei se será o mais indicado...(...)»

Quantas vezes não disse, caro arquitecto Cardoso, «acho isto uma merda», comentando alguma obra de um colega arquitecto? Nenhuma? Temos santo.

«(...) o Troufa é pateta? não, nem pensar... mas é um modo de abordar a coisa, sim... é cómico? humor? talvez haja espaço para uma arquitectura de humor... ou talvez não... o meu mal deve ser sono... coitado, deve ter tido boa vontade... só tenho pena dos fiéis do restelo...»

Devido à estupefacção que causa a imagem, pergunto-me: mas isto é feito por um pateta? Não, a inquietação cresce, não foi nenhum pateta, foi Troufa Real. Ele é cómico? Talvez a sua obra seja uma ironia bem-humorada sobre o ambiente que o rodeia, não sei. Concluo, no mesmo tom que comecei, intimista e sem sentido, o meu mal deve ser sono.

Respondo, agora, às questões levantadas pelo meu interlocutor:

Tem a noção do teor do comentário que escreveu?
R: Tenho, acabei de explicar.

O que o move contra o arquitecto Troufa Real?
R: Nada.

Seria capaz de dizer isto em público?
R:Mas, não o disse?

E cara a cara com o próprio?
R: Por motivos de humildade e boa educação, não.

Sabe o que este post evidencia?
R: Não.

Pois bem, agradeço à pessoa que chegou até aqui e peço desculpa. O blogue segue dentro de momentos. Assunto encerrado.

Comentários: Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]





<< Página inicial

Arquivos

Junho 2003   Julho 2003   Agosto 2003   Setembro 2003   Outubro 2003   Novembro 2003   Dezembro 2003   Janeiro 2004   Fevereiro 2004   Março 2004   Abril 2004   Maio 2004   Junho 2004   Julho 2004   Agosto 2004   Setembro 2004   Outubro 2004  

This page is powered by Blogger. Isn't yours?

Subscrever Mensagens [Atom]